quarta-feira, 1 de março de 2017

Primeira Liga pode ser dividida em minitorneios, com sedes fixas em 2018

Fonte: Super Esportes.com.br
Fotos: Arquivo Ases / Google.com.br
Edição: Jorge Luiz da Silva.
Salvador, BA (da redação itinerante do Esporte Comunitário)
Organizadores do torneio estudam mudanças para a próxima edição



PRIMEIRA LIGA

Com jogos adiados em cima da hora, equipes escalando não só reservas, mas até juniores e pouca audiência – salvo raras exceções – a Primeira Liga estuda mudanças para o ano que vem. A intenção é ter um torneio enxuto, com equipes que atraiam torcedores e que não tratem a competição como supérflua. Uma das ideias com maior aceitação entre os clubes participantes é realizar minitorneios, com sedes fixas e quatro clubes cada uma delas. Eles jogariam entre si dentro de cada sede e os campeões se classificariam para as semifinais.

Os locais mudariam a cada edição, mas as praças de maior sucesso financeiro ganhariam possibilidade de ser repetidas. Já as semifinais e a final poderiam ser na casa do time de melhor campanha ou em praças prédefinidas.

“Em um ano, poderíamos, por exemplo, ter uma sede no Nordeste, outra no Sudeste, outra no Centro-Oeste, uma no Sul. Seria tudo mais enxuto: os custos, a disputa”, afirma ao Estado de Minas uma fonte ligada à organização da Primeira Liga, que não descarta outras hipóteses. “A tendência é seguir esse caminho, mas as conversas vão prosseguir para ser o melhor para todos.”

Um fator que pesa para que sedes sejam adotadas é que a TV que já detém os direitos de transmissão da competição teria gostado bastante do formato. Estaria disposta até a subir os valores pagos atualmente a partir do ano que vem se adotada a nova fórmula, que implicaria menos custos.

Independentemente do modelo, o certo é que os organizadores sabem que é preciso mudar para recuperar o torneio, cuja credibilidade foi abalada com tantas alterações. A intenção é levá-la a lugares em que seja valorizada, com clubes usando os principais jogadores. O Espírito Santo, por exemplo, poderia ser uma boa sede – tem uma população que gosta de futebol e também muitos turistas em janeiro.

“As mudanças no calendário da Conmebol e, posteriormente, no da CBF espremeram um pouco as datas da Primeira Liga. E também temos os estaduais, alguns bem longos, com 20 datas, que sempre atrapalham. Mas há mais clubes interessados em participar, mostrando que o torneio está no caminho certo”, diz a fonte ouvida pela reportagem, sem revelar quais os possíveis candidatos.

TORNEIO DE VERÃO

Com o torneio curto, centrado no início do ano, se evitaria um dos maiores problemas da atual edição, muito longa e com conflito de datas. Iniciada em janeiro e com intervalo entre abril e o fim de agosto, a atual disputa só terminará em outubro. O que esperam os dirigentes é que ela se torne de fato uma liga de primeira, e não mais um torneio para o qual ninguém liga.



Clássico entre Atlético e Cruzeiro foi o jogo com o maior público da competição neste ano
Ramon Lisboa/EM/D.A Press