quinta-feira, 13 de julho de 2017

Pro­je­to be­ne­fi­cen­te le­va es­por­te para mo­ra­do­res de rua de Belo Horizonte

Texto: Ivan Drummond /Estado de Minas
Fonte: Superesportes
Imagens: Reprodução
Edição: Jorge Luiz da Silva.
Salvador, BA (da redação itinerante do Esporte Comunitário)
No sá­ba­do, eles par­ti­ci­pam da Cross Ur­ba­no Cai­xa, pro­va no Mi­nei­rão



ATLETISMO

As aulas de atletismo para os moradores de rua do projeto começaram há dois meses

Mal­tra­ta­do e me­nos­pre­za­do por mui­tos – a pon­to de o go­ver­no bra­si­lei­ro não ter uma po­lí­ti­ca es­por­ti­va no país –, o es­por­te dá, em BH, um exem­plo de co­mo po­de ser efi­cien­te em ques­tões de rein­ser­ção so­cial e re­cu­pe­ra­ção de pes­soas que es­tão à mar­gem da so­cie­da­de. Pa­ra um gru­po de mo­ra­do­res de rua que vi­vem num al­ber­gue da Pre­fei­tu­ra de Be­lo Ho­ri­zon­te no Bair­ro Flo­res­ta, a cor­ri­da foi a por­ta de en­tra­da pa­ra um no­vo mun­do. No sá­ba­do, eles sen­ti­rão o sa­bor de com­pe­tir, par­ti­ci­pan­do da Cross Ur­ba­no Cai­xa, pro­va que te­rá per­cur­so di­fe­ren­te: se­rão seis qui­lô­me­tros nas de­pen­dên­cias do Mi­nei­rão, pas­san­do pe­la es­pla­na­da, cor­re­do­res e até o cam­po.

As au­las co­me­ça­ram há pou­co mais de dois me­ses e um dos in­te­gran­tes da equi­pe é Wan­der Lú­cio Pin­to, de 40 anos. Na­tu­ral de Ita­ju­bá, ele con­ta que sua vi­da mu­dou de­pois que co­me­çou a cor­rer: “Mi­nha vi­da era ál­cool e dro­gas. Ago­ra, es­tou há dois me­ses sem be­ber e sem me dro­gar. Nun­ca pen­sei que con­se­gui­ria is­so. Mas o es­por­te me fez mu­dar e ver a vi­da de mo­do di­fe­ren­te. Não olho pa­ra a di­fi­cul­da­de de mais na­da. Te­nho uma res­pon­sa­bi­li­da­de que nun­ca ti­ve”.


Pe­lo pro­je­to, Wan­der tam­bém es­tá fa­zen­do um cur­so
de pa­da­ria e con­fei­ta­ria. E pre­ten­de co­me­çar mais um no fi­nal des­te mês, de cui­da­dor de ido­sos. “Eu era um ca­ra sem qual­quer es­pe­ran­ça. Per­di um fi­lho aos 20 anos, de leu­ce­mia. Na épo­ca, não vi­via mais com ele. Quan­do is­so acon­te­ceu, de­ci­di dei­xar Ita­ju­bá. O pen­sa­men­to era ir pa­ra Pou­so Ale­gre. Pe­guei ca­ro­na num ca­mi­nhão. Mas ador­me­ci na car­ro­ce­ria e o ca­ra pas­sou do meu des­ti­no. Per­gun­tei pa­ra on­de es­ta­va in­do e ele res­pon­deu Be­lo Ho­ri­zon­te. Re­sol­vi ar­ris­car. Che­guei aqui e fui pa­ra o al­ber­gue, e mi­nha vi­da es­tá mu­dan­do”, des­ta­ca.

Co­mo ele, ou­tros mo­ra­do­res não ti­nham mais es­pe­ran­ça. É o ca­so de Ro­gé­rio Bar­re­to, de 30, que se mu­dou de Car­los Cha­gas pa­ra a ca­pi­tal mi­nei­ra em bus­ca de em­pre­go; Ju­ler Hen­ri­ques Es­te­ves, de 33; Abraão Car­va­lho Cus­tó­dio, de 41, de Vol­ta Re­don­da; do gar­çom Gil­son Pi­nhei­ro Mar­tins, de 49, que veio da Bahia, e fa­la três idio­mas – in­glês, es­pa­nhol e ita­lia­no. Ou mes­mo de Au­ri­to Már­cio dos San­tos, de 39, que vi­via no Par­que Mu­ni­ci­pal, on­de be­bia du­ran­te to­do o dia. “O par­que é lu­gar de ca­cha­ça, não pre­ci­sa nem co­mer”, afir­ma. Diz que um dia pas­sou na por­ta do al­ber­gue e re­sol­veu en­trar. “Só­brio, vi es­sa his­tó­ria da cor­ri­da e en­trei pa­ra o gru­po. Sem­pre quis cor­rer. E aqui me en­con­trei. Não be­bo mais. Só cor­ro”, diz, or­gu­lho­so.


FRIO E FO­ME


Con­du­zi­do por vo­lun­tá­rios, o pro­je­to co­me­çou quan­do a psi­có­lo­ga Éri­ca Ma­cha­do foi con­vi­da­da a co­nhe­cer o al­ber­gue e con­ver­sar com os al­ber­ga­dos, to­dos mo­ra­do­res de rua. “Per­gun­tei a um ho­mem, que es­ta­va bê­ba­do, por que ele be­bia tan­to. Res­pon­deu-me que era pra dar con­ta de vi­ver, pa­ra ten­tar aca­bar com o frio, a fo­me, e me fa­lou de sua fal­ta de es­pe­ran­ça e de não ter so­nho. No­tei que re­cla­ma­vam de não ter o que fa­zer”, re­lem­bra.

Por meio de con­vê­nio com o Se­brae, os mo­ra­do­res do al­ber­gue pas­sa­ram a fa­zer cur­sos. “Cha­mei, en­tão, um ami­go, Ber­nar­do San­ta­na, a quem fiz a pro­pos­ta de mon­tar um pro­je­to de es­por­te. E ele apre­sen­tou es­se, de cor­ri­das”, diz Éri­ca. Às se­gun­das, quar­tas e sex­tas eles trei­nam lo­go ce­do, al­ter­nan­do-se en­tre a Ave­ni­da dos An­dra­das e o Par­que Mu­ni­ci­pal. Uma das trei­na­do­ras vo­lun­tá­rias é a cor­re­do­ra Na­tá­lia Vas­con­ce­los, que par­ti­ci­pa de pro­vas pe­lo mun­do e aju­da a ar­re­ca­dar ma­te­rial pa­ra a tur­ma. Tu­do é fru­to de doa­ção e quem qui­ser doar tê­nis e rou­pas pa­ra a tur­ma é só le­var ao Ser­vi­ço de Aco­lhi­men­to pa­ra a Po­pu­la­ção de Rua e Mi­gran­tes, na Rua Con­se­lhei­ro Ro­cha, 351.