quinta-feira, 20 de julho de 2017

Fim do tabu! Tricolor bate Atlético-MG em Minas após 18 anos



Fonte: Site oficial do Bahia
Colaboradores: Futebol Interior / Super Esportes
Edição: Jorge Luiz da Silva.
Imagens: Google.com.br (Arquivo ASES)
Serrinha, BA (da redação itinerante do Esporte Comunitário)




O último triunfo do Bahia contra o Atlético-MG foi em 1999, pela Copa do Brasil. Pelo Campeonato Brasileiro, o Tricolor venceu o Galo pela última vez em 1985. Na noite desta quarta-feira (19) esse tabu acabou logo no dia do futebol.

O Esquadrão de Aço venceu o time mineiro por 2 a 0, jogando no estádio Independência. Com esse resultado, a equipe azul, vermelha e branca chegou aos 19 pontos e agora ocupa a 12ª posição na classificação.






Os gols do triunfo foram marcados pelo volante Juninho. O primeiro, ainda no início do confronto, de pênalti sofrido pelo meia Zé Rafael.

Já o segundo, que deu o alívio depois de toda a pressão do Atlético e noite inspiradíssima de Jean, foi aos 42 da segunda etapa, com uma bomba de fora da área.






A equipe atuou com:
Jean, Eduardo, Tiago, Lucas Fonseca e Matheus Reis;
Matheus Sales, Juninho e Vinicius (Eder);
Mendoza, João Paulo (Régis) e Zé Rafael (Ferrareis).











O Tricolor treina nesta quinta (20), às 10h, ainda em Belo Horizonte, na Cidade do Galo.

Já no início da noite de amanhã, a delegação embarca para São Paulo, onde no próximo domingo (23) enfrenta o Santos, às 11h, no estádio do Pacaembu.



Fotos – Thomás Santos





quinta-feira, 13 de julho de 2017

Pro­je­to be­ne­fi­cen­te le­va es­por­te para mo­ra­do­res de rua de Belo Horizonte

Texto: Ivan Drummond /Estado de Minas
Fonte: Superesportes
Imagens: Reprodução
Edição: Jorge Luiz da Silva.
Salvador, BA (da redação itinerante do Esporte Comunitário)
No sá­ba­do, eles par­ti­ci­pam da Cross Ur­ba­no Cai­xa, pro­va no Mi­nei­rão



ATLETISMO

As aulas de atletismo para os moradores de rua do projeto começaram há dois meses

Mal­tra­ta­do e me­nos­pre­za­do por mui­tos – a pon­to de o go­ver­no bra­si­lei­ro não ter uma po­lí­ti­ca es­por­ti­va no país –, o es­por­te dá, em BH, um exem­plo de co­mo po­de ser efi­cien­te em ques­tões de rein­ser­ção so­cial e re­cu­pe­ra­ção de pes­soas que es­tão à mar­gem da so­cie­da­de. Pa­ra um gru­po de mo­ra­do­res de rua que vi­vem num al­ber­gue da Pre­fei­tu­ra de Be­lo Ho­ri­zon­te no Bair­ro Flo­res­ta, a cor­ri­da foi a por­ta de en­tra­da pa­ra um no­vo mun­do. No sá­ba­do, eles sen­ti­rão o sa­bor de com­pe­tir, par­ti­ci­pan­do da Cross Ur­ba­no Cai­xa, pro­va que te­rá per­cur­so di­fe­ren­te: se­rão seis qui­lô­me­tros nas de­pen­dên­cias do Mi­nei­rão, pas­san­do pe­la es­pla­na­da, cor­re­do­res e até o cam­po.

As au­las co­me­ça­ram há pou­co mais de dois me­ses e um dos in­te­gran­tes da equi­pe é Wan­der Lú­cio Pin­to, de 40 anos. Na­tu­ral de Ita­ju­bá, ele con­ta que sua vi­da mu­dou de­pois que co­me­çou a cor­rer: “Mi­nha vi­da era ál­cool e dro­gas. Ago­ra, es­tou há dois me­ses sem be­ber e sem me dro­gar. Nun­ca pen­sei que con­se­gui­ria is­so. Mas o es­por­te me fez mu­dar e ver a vi­da de mo­do di­fe­ren­te. Não olho pa­ra a di­fi­cul­da­de de mais na­da. Te­nho uma res­pon­sa­bi­li­da­de que nun­ca ti­ve”.


Pe­lo pro­je­to, Wan­der tam­bém es­tá fa­zen­do um cur­so
de pa­da­ria e con­fei­ta­ria. E pre­ten­de co­me­çar mais um no fi­nal des­te mês, de cui­da­dor de ido­sos. “Eu era um ca­ra sem qual­quer es­pe­ran­ça. Per­di um fi­lho aos 20 anos, de leu­ce­mia. Na épo­ca, não vi­via mais com ele. Quan­do is­so acon­te­ceu, de­ci­di dei­xar Ita­ju­bá. O pen­sa­men­to era ir pa­ra Pou­so Ale­gre. Pe­guei ca­ro­na num ca­mi­nhão. Mas ador­me­ci na car­ro­ce­ria e o ca­ra pas­sou do meu des­ti­no. Per­gun­tei pa­ra on­de es­ta­va in­do e ele res­pon­deu Be­lo Ho­ri­zon­te. Re­sol­vi ar­ris­car. Che­guei aqui e fui pa­ra o al­ber­gue, e mi­nha vi­da es­tá mu­dan­do”, des­ta­ca.

Co­mo ele, ou­tros mo­ra­do­res não ti­nham mais es­pe­ran­ça. É o ca­so de Ro­gé­rio Bar­re­to, de 30, que se mu­dou de Car­los Cha­gas pa­ra a ca­pi­tal mi­nei­ra em bus­ca de em­pre­go; Ju­ler Hen­ri­ques Es­te­ves, de 33; Abraão Car­va­lho Cus­tó­dio, de 41, de Vol­ta Re­don­da; do gar­çom Gil­son Pi­nhei­ro Mar­tins, de 49, que veio da Bahia, e fa­la três idio­mas – in­glês, es­pa­nhol e ita­lia­no. Ou mes­mo de Au­ri­to Már­cio dos San­tos, de 39, que vi­via no Par­que Mu­ni­ci­pal, on­de be­bia du­ran­te to­do o dia. “O par­que é lu­gar de ca­cha­ça, não pre­ci­sa nem co­mer”, afir­ma. Diz que um dia pas­sou na por­ta do al­ber­gue e re­sol­veu en­trar. “Só­brio, vi es­sa his­tó­ria da cor­ri­da e en­trei pa­ra o gru­po. Sem­pre quis cor­rer. E aqui me en­con­trei. Não be­bo mais. Só cor­ro”, diz, or­gu­lho­so.


FRIO E FO­ME


Con­du­zi­do por vo­lun­tá­rios, o pro­je­to co­me­çou quan­do a psi­có­lo­ga Éri­ca Ma­cha­do foi con­vi­da­da a co­nhe­cer o al­ber­gue e con­ver­sar com os al­ber­ga­dos, to­dos mo­ra­do­res de rua. “Per­gun­tei a um ho­mem, que es­ta­va bê­ba­do, por que ele be­bia tan­to. Res­pon­deu-me que era pra dar con­ta de vi­ver, pa­ra ten­tar aca­bar com o frio, a fo­me, e me fa­lou de sua fal­ta de es­pe­ran­ça e de não ter so­nho. No­tei que re­cla­ma­vam de não ter o que fa­zer”, re­lem­bra.

Por meio de con­vê­nio com o Se­brae, os mo­ra­do­res do al­ber­gue pas­sa­ram a fa­zer cur­sos. “Cha­mei, en­tão, um ami­go, Ber­nar­do San­ta­na, a quem fiz a pro­pos­ta de mon­tar um pro­je­to de es­por­te. E ele apre­sen­tou es­se, de cor­ri­das”, diz Éri­ca. Às se­gun­das, quar­tas e sex­tas eles trei­nam lo­go ce­do, al­ter­nan­do-se en­tre a Ave­ni­da dos An­dra­das e o Par­que Mu­ni­ci­pal. Uma das trei­na­do­ras vo­lun­tá­rias é a cor­re­do­ra Na­tá­lia Vas­con­ce­los, que par­ti­ci­pa de pro­vas pe­lo mun­do e aju­da a ar­re­ca­dar ma­te­rial pa­ra a tur­ma. Tu­do é fru­to de doa­ção e quem qui­ser doar tê­nis e rou­pas pa­ra a tur­ma é só le­var ao Ser­vi­ço de Aco­lhi­men­to pa­ra a Po­pu­la­ção de Rua e Mi­gran­tes, na Rua Con­se­lhei­ro Ro­cha, 351.








domingo, 11 de junho de 2017

'Chocado' com derrota para Belfort, Marquardt pede revanche fora do Brasil



Fonte: Super Esportes
Edição: Jorge Luiz da Silva.
Serrinha, BA (da redação itinerante do Esporte Comunitário)



Belfort e Marquardt tiveram duelo equilibrado no card principal do UFC Rio: americano reclamou da derrota. Imagem: Reprodução

UFC

Assim que foi divulgado o resultado da pontuação dos juízes laterais, com vitória por decisão unânime para Vitor Belfort, Nate Marquardt ficou visivelmente incrédulo, acreditando que teria superado o brasileiro no duelo pelo UFC 212, no Rio de Janeiro. E o norte-americano mostrou que ainda não ‘digeriu’ o revés, se dizendo ‘chocado’ e pedindo por revanche. Mas em uma luta fora do Brasil.


Americano considerou resultado injusto
e quer novo duelo com Fenômeno


Marquardt, de 38 anos, teria sido o último adversário de Belfort como atleta profissional do UFC, mas o Fenômeno anunciou que vai prolongar a permanência na organização com ao menos mais cinco lutas. O Great (Grande), como é chamado o norte-americano, não gostou do resultado e desafiou o brasileiro para novo confronto. Ele considera que saiu vencedor do duelo no Rio de Janeiro.


“Eu gostaria e seria incrível lutar com ele de novo. Não sei nem se é uma possibilidade, mas, se eu fosse ela, não estaria feliz com essa vitória. Eu ouvi ele dizer que sentiu que dominou a luta. Não sei se disse isso porque sabia que tinha perdido, e por isso quis parecer confiante, mas em nenhum momento ele esteve perto de vencer. Ele acertou alguns socos, mas eu dominei a luta”, avaliou o norte-americano, em entrevista ao site MMA Fighting.

Entretanto, Marquardt não crê em um sinal verde de Belfort para uma revanche. “Eu lutaria amanhã, mas acho que ele ficaria relutante. Depois da luta, era só olhar nos olhos dele, ele sabia que tinha perdido, então ficaria surpreso se ele aceitasse um novo duelo. Eu adoraria, porque foi uma luta muito técnica, boa para os fãs, e acho que ele deveria aceitar porque acredito que eu claramente venci. Todos que assistiram pensam o mesmo”, acrescentou o veterano, que antes do brasileiro perdera para Sam Alvey, também por pontos.








sexta-feira, 26 de maio de 2017

Vettel lidera segundo treino livre do GP de Mônaco e fecha quinta-feira na frente


Fonte: Super Esportes (Agência Estado)
Edição: Jorge Luiz da Silva.
Imagens: Google.com.br (Arquivo ASES)
Serrinha, BA (da redação itinerante do Esporte Comunitário)


Sebastian Vettel termina dia na liderança e acirra ainda mais a disputa com Lewis Hamilton. Divulgação/Ferrari.





FÓRMULA 1 

Líder do Mundial de Pilotos, Sebastian Vettel terminou o primeiro dia da sexta etapa da temporada 2017 da Fórmula 1 na frente. Nesta quinta-feira, após ser superado pelo britânico Lewis Hamilton na sessão inicial do fim de semana do GP de Mônaco, o alemão da Ferrari liderou o segundo treino livre e foi o mais rápido da quinta-feira no circuito de rua de Montecarlo. 

Vettel foi o único piloto a fazer uma volta em menos de 1min13 no dia, registrando o novo recorde da pista com a marca de 1min12s720. Assim, começou bem o fim de semana do GP de Mônaco, em que tentará sustentar a sua liderança no Mundial de Pilotos, ocupada com 104 pontos, seis a mais do que Hamilton, o segundo colocado. 

Mas ao contrário do que havia ocorrido no primeiro treino livre, Vettel não teve muita concorrência dos pilotos da Mercedes na segunda sessão, pois eles se focaram mais em trabalhar no ritmo de corrida, sem grande preocupação com os tempos de volta. 

Alemão dá o troco em Hamilton, que bateu recorde da pista no treino anterior



Com isso, Hamilton foi apenas o oitavo colocado no segundo treino livre, com a marca de 1min13s873, um tempo pior inclusive do que o registrado na primeira sessão, quando foi o mais rápido, com 1min13s425. Seu companheiro de equipe, o finlandês Valtteri Bottas, também passou pela mesma situação. Após ser o quarto com 1min13s791, foi somente o décimo colocado, com 1min13s902, na segunda atividade. 

Com isso, Vettel sobrou no segundo treino livre para o GP de Mônaco, com uma vantagem de quase 0s5 para o australiano Daniel Ricciardo, da Red Bull, o piloto que mais se aproximou dele ao marcar 1min13s207. Já o finlandês Kimi Raikkonen, da Ferrari, foi o terceiro mais rápido, com 1min12s283. 

Após colocar os seus dois pilotos entre os dez melhores na primeira atividade, a Toro Rosso confirmou o seu bom desempenho em Montecarlo ao terminar o segundo treino livre com o russo Daniil Kvyat em quarto lugar e o espanhol Carlos Sainz Jr. na quinta colocação. 

O holandês Max Verstappen, da Red Bull, foi o sexto mais rápido, enquanto o mexicano Sergio Pérez, da Force India, ficou em sétimo lugar. Já o dinamarquês Kevin Magnussen, da Haas, terminou entre os dois carros da Mercedes, na nona colocação no segundo treino livre do GP de Mônaco. 

Assim como na primeira atividade, quando foi o 11º colocado, o brasileiro Felipe Massa voltou a ficar fora da relação dos dez mais rápidos, em 13º lugar, com 1min14s003. Com isso, terminou logo atrás dos dois carros da McLaren, com o belga Stoffel Vandoorne em 11º e o britânico Jenson Button, o substituto de Fernando Alonso, que vai participar no fim de semana das 500 Milhas de Indianápolis, na 12ª posição. 



Companheiro de Massa na Williams, o canadense Lance Stroll sofreu um forte acidente e destruiu seu carro ao bater na entrada da curva do cassino, o que inclusive provocou o acionamento da bandeira vermelha. Já o britânico Jolyon Palmer, da Renault, abandonou a atividade logo no começo por problemas no motor. 

Os pilotos voltam a acelerar no circuito de rua de Montecarlo no sábado, quando será realizado o treino de classificação a partir das 9 horas (de Brasília). O horário é o mesmo da largada do GP de Mônaco no domingo. 



l




terça-feira, 23 de maio de 2017

Jovens Alexander Zverev e Elina Svitolina entram no top 10 após títulos em Roma

Fonte: Superesportes (Gazeta Press)
Imagens: Reprodução
Edição: Jorge Luiz da Silva.
Serrinha, BA (da redação itinerante do Esporte Comunitário)
Svitolina e Zverev agora são os mais jovens no top 10 dos rankings da ATP e da WTA. AFP



Alemão de 20 anos superou Djokovic na final; ucraniana desbancou Halep


O fim de semana de Alexander Zverev foi completo. Além de derrotar o sérvio Novak Djokovic, o alemão de apenas 20 anos conquistou seu primeiro título de Masters 1000 na carreira. Com os pontos ganhos em Roma, o tenista subiu sete posições e entrou no top 10 da ATP pela primeira na atualização do ranking desta segunda-feira.

A entrada de Zverev foi a única mudança entre os dez melhores tenistas do mundo. O alemão deixou para trás David Goffin (11º), Grigor Dimitrov (12º), Jo-Wilfried Tsonga (13º), Tomas Berdych (14º), Jack Sock (15º), Gael Monfils (16º) e Lucas Pouille (17º) e se tornou o mais novo do top 10, já que Dominic Thiem tem 23 anos.

Medalhista de prata nos Jogos Olímpicos do Rio, o argentino Juan Martin Del Potro subiu quatro posições e agora é o 30º do mundo em recuperação incrível. Após uma série de lesões, o promissor tenista chegou a ficar sem ranking, mas deu a volta por cima com atuações incríveis no segundo semestre de 2016.

Melhor brasileiro na lista, Thomaz Bellucci não perdeu posições e manteve o 59º lugar. Já Rogerinho Dutra subiu seis postos após o vice-campeonato no Challenger de Bordeaux e agora é o 78º. Quem também melhorou foi Thiago Monteiro, que subiu três posições e aparece em 95º.

Na lista feminina da WTA, a grande campeã do fim de semana, Elina Svitolina, deu o maior salto entre as tenistas de elite. Com o título no Premier de Roma, a ucraniana avançou cinco posições e se colocou no sexto lugar do mundo.

A espanhola Garbiñe Muguruza subiu dois degraus e novamente aparece entre as cinco primeiras tenistas do circuito. A jovem de 23 anos agora defende os dois mil pontos conquistados em Roland Garros na última temporada.

Pronta para começar a disputar o quali para o segundo Grand Slam do ano nesta terça-feira, a brasileira Beatriz Haddad Maia perdeu uma posição e deixou o top 100. Teliana Pereira teve um bom salto de 12 posições e agora é a 240ª da WTA, enquanto Paula Gonçalves avançou um posto e é a 291ª.








terça-feira, 16 de maio de 2017

Federação Nacional dos Atletas questiona partidas do Brasileirão às 11 horas



Fonte: Super Esportes (Agência Estado) 
Edição: Jorge Luiz da Silva.
Imagens: Google.com.br (Arquivo ASES)
Salvador, BA (da redação itinerante do Esporte Comunitário)



Fluminense e Santos protagonizaram o único duelo das 11h da manhã nesse fim de semana. Foto: Lucas Merçon/Fluminense.

CAMPEONATO BRASILEIRO
Até a 10ª rodada, seis partidas estão marcadas para o horário



A Federação Nacional dos Atletas Profissionais de Futebol (Fenapaf) prometeu encaminhar um ofício à CBF questionando os jogos das 11 horas da manhã. Até a 10.ª rodada do Campeonato Brasileiro, seis partidas estão marcadas para o horário, sendo cinco deles no Rio. 

No fim do ano passado,
a Justiça do Trabalho do Rio Grande do Norte determinou que todos os jogos em território nacional no período entre 11 horas e 14 horas só poderão ocorrer se a temperatura das partidas for monitorada em tempo real e não extrapolar 28 graus WBGT (Temperatura Global de Bulbo Úmido, em tradução livre), uma medida que considera o efeito da temperatura, umidade e luz do sol sobre os jogadores. 

No último domingo, às 11 horas, a temperatura ambiente no estádio do Maracanã, no Rio, chegou a 30°C. A CBF, contudo, garante que a temperatura WBGT não chegou aos 25 graus e o jogo transcorreu sem nenhum risco aos jogadores. “A CBF continua tendo como motivação principal a preservação da integridade física dos atletas”, assegurou Jorge Pagura, presidente da Comissão Nacional de Médicos do Futebol. 

Mesmo assim, o presidente da Fenapaf, Felipe Augusto Leite, declarou que irá à CBF. “Jogo com sol das 11 horas da manhã pode fazer sentido em Curitiba, em Porto Alegre. Não no Rio”. 









segunda-feira, 8 de maio de 2017

Brasil faz 6 a 0 no Taiti e conquista o quinto título do Mundial de futebol de areia



Fonte: Super Esportes
Edição: Jorge Luiz da Silva.
Imagens: Google.com.br (Arquivo ASES)
Serrinha, BA (da redação itinerante do Esporte Comunitário)



Seleção Brasileira de Futebol de Areia venceu campeonato nas Bahamas com goleada de 6 a 0
Divulgação / CBSB


FUTEBOL DE AREIA


Depois de seis anos fora da final da Copa do Mundo de Futebol de Areia, o Brasil conquistou o pentacampeonato do torneio neste domingo. Vencedor nas edições de 2006, 2007, 2008 e 2009, o time verde e amarelo encarou a promissora seleção do Taiti na grande decisão de 2017, nas Bahamas, e venceu de maneira tranquila, por 6 a 0.

A Seleção Brasileira foi dominante desde os primeiros instantes do duelo e não teve grandes problemas para sair com o triunfo. Mauricinho (duas vezes), Datinha, Catarino e Daniel (duas vezes) foram os autores dos gols.

Além de marcar o quinto título mundial do Brasil, a vitória estabeleceu uma incrível marca para a equipe nacional. Foi o 35º triunfo consecutivo da Seleção, que vem tendo ótimo rendimento e não levantava a taça há oito anos.



Seleção Brasileira voltou a conquistar o campeonato após oito anos

O jogo

Concentrado e intenso, o elenco brasileiro precisou de 14 segundos para abrir o placar com Mauricinho, um dos principais destaques da campanha para o título. Foi o camisa 11 que ainda deu o passe para o segundo gol verde e amarelo na noite, marcado por Datinha.


Mauricinho também foi o responsável por inaugurar o marcador do segundo período fazendo bela joga individual na pequena área taitiana. Após os três gols, o jogo passou a ficar parado, mas o Brasil seguia anulando os ataques adversários.


A partida só voltou a esquentar no terceiro tempo, quando time verde e amarelo entrou com ritmo muito forte e definiu o triunfo. Catarino foi o primeiro a marcar na etapa, seguido pelos dois tentos de Daniel, que decretaram o placar.







Relembre a campanha brasileira nas areiras de Nassau:

Grupo D (Brasil, Taiti, Japão e Polônia)

Fase de classificação:
Brasil 4 x 1 Taiti
Polônia 4 x 7 Brasil
Brasil 9 x 3 Japão

Quartas de final
04.05 - Brasil 4 x 3 Portugal

Semifinal
06.05 - Brasil 8 x 4 Itália

Final
07.05 - Brasil 6 x 0 Taiti









quarta-feira, 26 de abril de 2017

Programa Futebol pela Amizade da Gazprom: devoção a valores humanos essenciais já uniu milhares de pessoas ao redor do mundo



Fonte: prnewswire.com
Edição e arte: Jorge Luiz da Silva.
Imagens: Google.com.br (Arquivo ASES)
Serrinha, BA (da redação itinerante do Esporte Comunitário)


NEWS PROVIDED BY 
Global Press Centre of the Gazprom FOOTBALL FOR FRIENDSHIP programme





Os eventos para promover a paz, a amizade, a igualdade e um estilo de vida saudável, dedicados ao Dia Mundial do Futebol e da Amizade, iniciaram-se hoje na Europa, Ásia, África, América do Norte e América do Sul. Dezenas de milhares de crianças e adultos estão participando de jogos amistosos, treinamentos abertos, flash mobs, maratonas e eventos esportivos. Os participantes em todo o mundo têm o apoio de jogadores, treinadores, apresentadores de TV e artistas famosos. 



O Dia Mundial do Futebol e da Amizade foi inicialmente proclamado em 2014 pelos jovens embaixadores do programa social internacional infantil FUTEBOL PELA AMIZADE, apoiado pela FIFA e pela UEFA. Durante este dia, todas as pessoas que acreditam nos valores mais importantes, como a igualdade, o respeito por outras culturas e a existência pacífica, usam uma pulseira da amizade nas cores azul e verde. A faixa azul da pulseira simboliza o céu pacífico, e a verde simboliza o campo de futebol, acessível a todos. 

mma.prnewswire.com/media/494050/Football_for_Friendship.jpg



Neste ano, a pulseira da amizade começou a ser usada por Hugo Tinelli, o principal produtor de TV da Argentina; por Xu Li, editor-chefe de uma agência de notícias na China; por Dimos Piros, atleta grego três vezes campeão olímpico; por Miodrag Bozhevich, famoso treinador sérvio; e por Kevin Bloom, árbitro holandês da FIFA. 

Os eventos tiveram a presença de jogadores de futebol famosos, como o zagueiro sérvio Branislav Ivanovich e o goleiro russo Yuri Lodygin (ambos do Zenit de São Petersburgo, Rússia), e o atacante holandês Dirk Kuyt (do Feyenoord de Roterdã, Holanda). Em Atenas, o evento contou com a participação de Theodoras Zagarakis, jogador integrante da seleção vencedora da Euro 2004 e membro do Parlamento da Grécia. 

Foto: http://mma.prnewswire.com/media/494050/Football_for_Friendship.jpg 


"É importante o fato de que este dia chega em um momento em que pessoas em todo o mundo precisam confirmar seu compromisso com o princípio de igualdade e respeito mútuos. O FUTEBOL PELA AMIZADE dá essa oportunidade e, por meio da geração mais jovem, ensina às pessoas o compromisso com a paz e a amizade, independentemente do sexo, da idade e das capacidades físicas. É sensacional ser escolhido como operador nacional do FUTEBOL PELA AMIZADE 2017 no Paquistão, e espero que no futuro também possamos levar essa plataforma ao nosso país e convidar crianças de todo o mundo para visitarem o Paquistão", emocionou-se Fahad Khan, da Federação Paquistanesa de Futebol. 



FONTE Global Press Centre of the Gazprom FOOTBALL FOR FRIENDSHIP programme
SOURCE Global Press Centre of the Gazprom FOOTBALL FOR FRIENDSHIP programme 

l